domingo, 1 de março de 2009

Somente amigos 3

Friends acabou e o som foi ligado. Dessa vez foi ela que escolheu, e colocou o iPod ligado nas música mais engraçadas e zoadas do mundo pra ver se o mau humor a deixava. Enquanto limpavam e arrumavam a casa deram boas gargalhadas. Ele saiu para comprar gelo e trouxe um almo-janta para os dois. Eram amigos como nos velhos tempos, se sacaneando, rindo e dividindo histórias sem nem parecer os memos da noite anterior.
O Lipe resolveu tomar banho enquanto ela acabava de organizar umas coisas. Dava para ouvir ele cantando do chuveiro e ela ficou perto da porta rindo sozinhs. Resolveu separar a roupa logo antes que ele saisse do banho. Abre caixa, fecha caixa - nem tudo estava no armário já. Ouviu o barulho da porta do banheiro destrancando, duas batidas na porta que pelo que ela se lembrava tava aberta. Sem olhar perguntou:
- Que é?
- Posso entrar?
- Que que vc queeer... - se virando para vê-lo só de toalha, ainda molhado com duas bermudas na mão. Isso já era sacanagem de mais com a libido de alguém.
- Qual que fica melhor?
- Sem nada - foi o que ela pensou. - A da direita e virou rapido, sem graça.
- O que houve?
- Nada.
- Vem cá, bravinha. A TPM já passou? - abraçando-a.
- Mais ou menos - com voz de quem faz charminho... mas já se derretendo toda. O Abraço dele a envolvia por inteiro, a deixou acolhida. O calor foi crescendo até os consumir por dentro, se beijaram. Primeiro devagarzinho, reconhecendo território, lingua, boca. A intensidade foi aumentando deixando-os cada vez com mais e mais calor. Parecia que faziam aquilo a muito tempo tamanha era a intimidade. Se apertaram forte. A roupa já era pouca e não foi dificil de ir embora. Mas ele fez questão de tirar com cuidado a camisola.. aquela, curtinha decotada que ela só podia ter colocado naquele dia de propósito. Primeiro desceu as alças beijando o caminho que elas faziam. O abjur ainda estava ligado e a cortina fechada, aquela cena foi linda. Deitaram no colchão que ele tinha carregado e ali colocado. Transaram. Uma primeira vez que parecia, sei lá, a décima. A intimidade, a falta de vergonha e a sintonia foi surpreendente.
Cansados, suados, pararam. Se olharam. E riram. muito.
- Vc tá acreditando que isso tá acontecendo?
- Eu? não. e você?
- Mais ou menos... afinal to aqui né, te olhando, pelada. Mas...
- O que?
- Isso não devia ter acontecido né?
- É. Mas isso não aconteceu. Aconteceu?
- Não. - soriram, se beijaram, se abraçaram.
A campainha tocou. - Fudeu. Vai atender a porta você que eu vou entrar no banho.
- Tá. - vestindo uma bermuda qualquer, sem cueca mesmo, torcendo para não ser ninguém de mais.
Era a Claudinha. Entrou dando estalinho nele e perguntando como estava a casa, a mudança, a relação com a Julia, agora que dividiam apartamento.
- Tá bem.. a gente já era bem amigo né, então tem dado tudo certo. Você pode esperar aqui na sala só um pouquinho? - correu pro quarto, vestiu uma cueca qualquer, escolheu uma camisa e voltou pra sala recebendo direito a primeira convidada.
Ela saiu do banho e agiu com a mior naturalidade do mundo. Outros convidados chegaram e ninguém achou estranha a nova relação daqueles amigos.
Mas eles sabiam... havia algo a mais.

3 comentários:

Prometeu Acorrentado disse...

huahauhuahuha
não era extamente sobre o comportamento das mães, mas coube no contexto.
é sobre algo que eu te escrevi no mail...

Prometeu Acorrentado disse...

aaaaaaaaaaaaaaahhhhhhhh
que fofo que ficou isso aqui!

Luka disse...

=)